Contatos:

e-mail: nov.jesusnazareno@servidoras.org

Telefones: (11)5977-9932
                 (11)5977-3408

  • White Facebook Icon

   A Cruz de Matará é um precioso retábulo, ou seja, é um conjunto de figuras que representam uma história. Nela, estão representados os motivos centrais de nossa espiritualidade:

1) A Santíssima Trindade

2) Jesus Cristo

3) Sua Igreja

     Neste sentido, a cruz de Matará é um formosíssimo Livro, quer dizer, é uma Palavra, que deve-se saber ler como um resumo e síntese da Palavra de Deus. Assim como São Domingos levava sobre seu peito o Santo Evangelho, as Servidoras do Senhor e da Virgem de Matará levam sobre o seu este Evangelho condensado. 

     A cruz de nosso Senhor nos fala do mistério da Santíssima Trindade, do mistério da Criação, do mistério da Encarnação e da Redenção, do mistério da Igreja, do mistério da Eucaristia.                                                  

  • Sinais irreconhecíveis:

 

     No extremo superior se podem observar distintos sinais gráfico, que segundo especialistas, são de difícil interpretação e alguns são irreconhecíveis.

  • Matará, 1594

     No extremo superior do madeiro vertical da Cruz de Matará, se observam: o M, a letra inicial de um nome: Matará. Na linha seguinte, as letras ATA em maiúsculas e em minúsculas um provável R e A. Reunindo todas as letras teríamos a palavra “Matará”. Abaixo dessas letras, em outra linha, os números 1-5-9 e outro sinal irreconhecível. Estes números indicariam, possivelmente, o ano de 1594, ano em que os missionários Jesuítas evangelizaram as terras dos indígenas Mataráes.

  • Os dois pulmões

     No extremo superior do madeiro vertical se observa uma cruz grega. Isso nos leva a pensar na realidade de que a Igreja Católica está formada pelas duas grandes tradições: A do Oriente e da do Ocidente. E devemos nos comprometer em trabalhar no empenho ecumênico.

  • Alfa e Ômega:

     Porém, pode-se distinguir claramente dois sinais no extremo superior da cruz de Matará, as letras gregas alfa e ômega. Deus havia se revelado no Antigo Testamento como o princípio e o fim de tudo, e da mesma forma, assim é Jesus apresentado no Novo Testamento, pela simples razão de que é Deus. "Eu sou o Alfa e o ômega, o Começo e o Fim". (Ap 21,6)

     O Senhor é o começo e o fim da história humana, ponto de convergência ao qual tendem os desejos da história e da civilização, centro da humanidade, gozo do coração humano e plenitude total de suas aspirações.

  • A Criação

     O Sol, a Lua e a estrela da Cruz de Matará nos falam da Criação de Deus. Todas ​as magníficas obras do universo são de Deus, não são Deus e são para que nós cheguemos a Deus. "Sol e Luz, bendizei o Senhor, louvai-o e exaltai-o eternamente" (Dn 3,62)

O sol nos fala da providência de Deus e de seu governo sobre todas as coisas "o Senhor mandou o sol iluminar o dia, ordenou a lua e as estrelas clarearem a noite" (Jr 31,35)

     O sol é também imagem de Cristo Sol de Justiça (Mal 3,20) e o sol e a lua são imagem de Maria: “Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol, a lua debaixo de seus pés, e na cabeça uma coroa de doze estrelas”. (Ap 12,1)

    A lua também significa que Jesus Cristo morreu em plena Páscoa Judia que se cumpria com lua cheia. 

     Assim mesmo, o sol e a lua simbolizam o amor e a fidelidade. Nos tempos atuais, nos quais os princípios e verdades eternas estão obscurecidos, as Servidoras, com o duplo simbolismo do sol devem dar claro testemunho da luz, devem ser ante os homens e mulheres testemunhas críveis do amor do sol e da fidelidade da lua.

 

 

  • O cometa

     Na Cruz de Matará o mistério do Verbo feito menino está representado pelo cometa ou estrela, que os Magos do Oriente contemplaram no firmamento.

Então, o que nos diz a estrela de Belém da Cruz de Matará?

Pareceria que na Cruz de Matará, igualmente na natividade, o cometa dança entre o sol e a lua. Na madeira opaca e escura da cruz brilha a estrela de Belém com sua mensagem, brilha a estrela esplendorosa de Jesus. O Sol de Justiça se manifestou aos homens precedido por uma estrela, e esta, na Cruz de Matará, com sua silenciosa linguagem, nos ensina que para encontrar a Jesus deve-se seguir sua estrela.

Projetar às novas gerações os altos ideais expressos nesta Cruz deverá ser um renovado empenho de todos os membros de nossa Família Religiosa através de cada dos tempos para que ressoe o Evangelho de Jesus Cristo em todo canto da terra:

 

     Ide por todo o mundo

e pregai o Evangelho

(Mc 16,15).

Sinais de sua Paixão:

  • O Senhor

     Sobre o madeiro horizontal destaca-se a figura do Senhor que se estende ao madeiro vertical onde se completa. A figura do corpo de Cristo está tratada com traços estilizados muito originais, a cintura sumamente estreita o tórax que se dilata e o movimento termina nos braços estendido para cima em posição de crucifixão. Na cabeça se apoia uma coroa e por detrás uma aureola se distingue claramente. Na cintura está representada como que uma curta saia com algumas fendas, as pernas de encontram separadas e desprendidas e os pés encontram-se apoiados sobre um suporte. Aqui está o grande tema e o tema central da Cruz de Matará: O Senhor Jesus Cristo.

  • Coroação de Espinhos

     Sobre a madeira horizontal da Cruz de Matará, se destaca a figura do Senhor e na cabeça se destaca uma coroa, que formou parte dos terríveis opróbrios que recebeu Nosso Senhor no pretório de Pilatos.

Lhe coroaram trançando uma coroa de espinhos (Mateus 27,29). Provavelmente não seria em forma de aro, se não que de capacete, tal como aparece no Santo Sudário. A coroa é o sinal característico da dignidade real, que em Cristo seria coroa de burla e de castigo. Em efeito, sendo a cabeça a parte do corpo mais irrigada pelo sangue, sangraria abundantemente por todas as feridas da cabeça provocadas pelos espinhos. Imensas dores Cristo sofreu para salvar o mundo!

  • A Crucifixão: os cravos e o martelo

     Na Cruz de Matará, os cravos do madeiro vertical aos pés do Senhor e o martelo no madeiro horizontal à direita, nos move a contemplar a dolorosíssima morte que padeceu o Salvador por nosso amor. Os cravos eram largos e grossos, tinham oito milímetros e sustentavam quase todo o peso do corpo do crucificado.

·    

  • A Eucaristia

     No madeiro horizontal, no extremo direito, está representado a Eucaristia onde Jesus Cristo está cativo, feito prisioneiro de amor pela salvação dos homens.

​​

  • ​​A Flagelação

     No madeiro vertical da Cruz de Matará, ao redor da imagem do Senhor, há dois cordões, significando a flagelação. Foi um dos passos mais dolorosos da Paixão do Senhor.

     Em efeito, logo após desnudar ao Senhor, com açoites que levavam nas pontas pequenos ossos ou chumbos, açoitaram sobre as costas e pernas, chegando as cordas em seu recorrido até as costelas e o abdômen, segundo o Santo Sudário por dois soldados romanos. As cordas dos açoites rompiam a epiderme do Senhor, e sobretudo os ossos das ponta penetravam nela provocando muitas feridas e fazendo manar dela abundante sangue. Não ficou n’Ele parte sã: “Onde vou ferir ainda, quando persistis na rebelião? Toda a cabeça está enferma, e todo o corpo, abatido. Desde a planta dos pés até o alto da cabeça, não há nele coisa sã. Tudo é uma ferida, uma contusão, uma chaga viva, que não foi nem curada, nem ligada, nem suavizada com óleo”. (Isaías 1, 5-6)

 

  • A lança

     Ao lado do corpo de Cristo observa-se a lança, que Lhe atravessou o peito, como nos narra o Evangelho, quando os soldados foram certificar a morte de Jesus: “Vieram os soldados e quebraram as pernas do primeiro e do outro, que com Ele foram crucificados. Chegando porém, a Jesus, como o vissem já morto, não Lhe quebraram as pernas, mas um dos soldados abriu-Lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu sangue e água” (Jo 19, 32-34).

​​

  • A Escada

     No madeiro central, debaixo dos pés, pode-se observar a escada, que serviu para descer o corpo de Jesus. José de Arimateia e Nicodemos, com a permissão de Pilatos, desceram da Cruz o corpo morto de Nosso Senhor, envolveram-no em um lençol e o depositaram em um Sepulcro.

​​​

  • O Galo

     O galo nos recorda as três negações de Pedro, causadas por sua tríplice falta:

1° Contradizer a Cristo “Ainda que todos se escandalizem de ti, eu porém, nunca!" (Mc 14,29)

2° Considerar-se superior aos demais: “Ainda que todos se escandalizem” (Mc 14,29) 

3° Não recorrer à oração e à vigilância como Cristo lhe havia aconselhado: Vigiais e orai, para que não entreis em tentação. O espírito está pronto mas a carne é fraca ( Mt 26,41)

     Pedro negou três vezes a seu Senhor. Imediatamente cantou um galo, e Pedro se recordou daquilo que lhe havia dito Jesus: “Antes que o galo cante, me terás negado três vezes”

     Também o galo recorda a reabilitação de Pedro. Após a Ressurreição, Jesus pergunta-lhe três vezes: “Simão, filho de João, amas-me mais do que estes? [...]Simão, filho de João, amas-me? [...]Simão, filho de João, amas-me”? (João 21, 15-17)

     Disse Santo Agostinho: “Não te entristeças, Apóstolo; responde uma vez, responde duas, responde três. Vença por três vezes sua profissão de amor, já que por três vezes o temor venceu tua presunção. Três vezes deve ser desatado o que por três vezes havias ligado. Desata por amor o que havias ligado pelo temor. Apesar de sua debilidade, por primeira, por segunda e por terceira vez o Senhor encomendou suas ovelhas a Pedro”.

  • Os atributos da Igreja : Os Dados

     No madeiro vertical, abaixo do galo veem-se dois motivos a mais, que poderiam ser os dados com que se sortearam as vestes do Senhor. Em efeito, “Depois de os soldados crucificarem Jesus, tomaram as suas vestes e fizeram delas quatro partes, uma para cada soldado. A túnica, porém, toda tecida de alto a baixo, não tinha costura. Disseram, pois, uns aos outros: “Não a rasguemos, mas deitemos sorte sobre ela, para ver de quem será”. Assim se cumpria a Escritura: “Repartiram entre si as minhas vestes e deitaram sorte sobre a minha túnica” (Sl 21,19). Isso fizeram os soldados”. (Jo 19, 23-24).

     Nesta túnica, talvez tecida pela Santíssima Virgem, São Cipriano vê a nota de unidade da Igreja: “Este sacramento da unidade, este vínculo de concórdia é tão inseparavelmente de acordo, mostra-se no Evangelho, na túnica do Senhor Jesus Cristo que não se divide, e de nenhum modo se rompe, antes porém, lançam-se sorte para ver quem a vestirá, a fim de recebe-la íntegra, e conservá-la incorrupta e indivisa.” E junto com a nota de unidade, devemos ver as notas de santidade, catolicidade e apostolicidade, de tal modo que sempre confessemos a fé na Igreja Uma, Santa, Católica e Apostólica.

 O Corpo místico de Cristo

  • A Igreja em seus membros

     Também encontramos na Cruz de Matará os distintos membros da Igreja: o Senhor, a cabeça visível; a Virgem, como pescoço que une a cabeça e o corpo; a São Pedro, primeiro Papa, figurado no galo, cabeça visível da Igreja e vigário de Cristo; aos fiéis leigos representados pelo Cacique.

  • A Virgem

     No madeiro vertical, abaixo do galo, vê-se a figura de uma Rainha, representando Nossa Senhora, que esteve unida ao Senhor desde o momento da Encarnação até Sua Paixão e morte de Cruz. Em uma visão mais ampla, unindo-a com a imagem do Cacique e com as línguas de fogo do Purgatório, logo abaixo, temos representados os três estados da Igreja: Triunfante, Militante e Padecente. 

  • Os três estados da Igreja

     Estão Jesus e Maria que peregrinaram por esta terra, mas que já estão no Céu, e o Cacique que está no Purgatório: O Cacique implora para sair do Purgatório, que está representado pelas línguas de fogo.

De tal modo que nos encontramos com os três estados da única Igreja de Jesus Cristo: A Triunfante que está no Céu; a Militante que está na Terra e a Purgante que está nesta grande obra de misericórdia de Deus, que é o Purgatório. Cujos membros estão intimamente unidos pela graça na comunhão dos Santos.